Aryane Gouvea Especialista em Marketing na MOB1. Planejo ações e conteúdos que possam ajudar pessoas.

Tendências do varejo online no setor automotivo e de autopeças

4 min | leitura

tendências do varejo de autopeças

No Brasil e no mundo, muitos desafios surgiram nos últimos anos. Desde o home office à necessidade de rever estratégias, foi necessário reconsiderar projetos e processos aproveitando o máximo das tendências do varejo online.

Imaginamos que por aí, muita coisa também pode ter mudado rápido. Por conta disso e para que possamos ajudá-lo a encontrar novos caminhos, decidimos criar este artigo.

Ele trará possíveis soluções e oportunidades para você aplicar em seu setor ou empreendimento. Acompanhe!

O que mudou no setor automotivo?

Precisamos ter em mente uma das principais mudanças que a crise econômica e da saúde criou no mercado brasileiro: as drásticas alterações de hábitos de consumo.

Certamente, o impacto de 2020 tem sido sentido no setor.

Acima de tudo, a indústria automobilística, já passava por um período de transformações nos âmbitos de inovação, controle de emissões veiculares e também eficiência energética. Agora, tende a passar por muitas mais.

Continue a leitura para conferir algumas outras tendências!

NÃO PERCA NENHUMA NOVIDADE!

Assine nossa newsletter para receber outros conteúdos como este!

Tendências do varejo online

Quais assuntos tão comentados nos últimos meses valem realmente sua atenção? O que ainda é relevante? 

Separamos as principais tendências do varejo online que podem lhe ajudar a curto, médio e longo prazo principalmente no universo das vendas online!

Omnichannel para ontem!

Ao menos há cinco anos esse nome corre todas as listas de principais estratégias para o varejo tanto para modelos de negócio B2B quanto B2C. 

Em resumo, o omnichannel trata da integração de multicanais para uma melhor experiência do consumidor. Ou seja, uma integração do online com o offline, que vai desde o uso simultâneo e interligado de diferentes canais de comunicação, de atendimento e de vendas.

Ou seja, é convergir todas as ações de lojas físicas, ecommerces, aplicativos, redes sociais e quaisquer ferramentas que a marca utilize, proporcionando ao cliente o acesso a marca em qualquer local, horário ou meio.

Fácil? Não, mas necessário!

Certamente, um dos maiores benefícios do omnichannel seja exatamente o que precisamos agora: reduzir ao máximo obstáculos entre a marca e seus clientes.

Um dos grandes exemplos nacionais em omnichannel é o Magazine Luiza, que adotou a estratégia em 2015. Hoje, a marca oferece experiência online e offline totalmente integradas, por meio de muita inovação.

Destacam-se por exemplo, a implantação de tecnologia nas lojas, para atendimento e vendedores como o app Mobile Vendas a que todo o vendedor tem acesso.

Mas também, o site e o aplicativo mobile para clientes finais, com toda a gama de produtos Magazine Luiza, a logística integrada que possibilita que o cliente compre online e retire na loja física, realize trocas de produtos entre um canal e outro sem burocracia, a adoção do marketplace e muito mais!

Ainda dá tempo de reconsiderar essa tendência do varejo. e não deixar pra depois!

Marketplace, o ícone da digitalização 

O nome é comum entre profissionais da área do varejo digital, mas entre os consumidores popularizou-se há pouco tempo.

O modelo de negócio, que está presente no Brasil desde 2012, e nada mais é que uma plataforma que agrega diversos lojistas, na qual o consumidor pode entrar e comprar produtos ou serviços de várias marcas, de uma vez só.

No país, os principais são:

  • Americanas.com,
  • Amazon,
  • Submarino,
  • Shoptime,
  • Mercado Livre,
  • Magazine Luiza,
  • iFood,
  • Airbnb,
  • Doctoralia.

Para utilizar estas plataformas, normalmente o seller (fornecedor de produtos ou serviços) paga uma comissão sobre o valor de cada transação realizada no ambiente.

O Omnichannel mostra-se um modelo muito vantajoso uma vez que dispensa a criação de um e-commerce, além de contar com toda a popularidade dos próprios marketplaces. 

customer experience - experiencia do cliente

Foco total no Customer Experience 

Fica cada dia mais visível a importância das marcas terem propósitos orientados a favor da experiência do cliente. 

Afinal, o real valor para um cliente não são apenas números, mas sim os benefícios práticos, valores emocionais trazidos com a aquisição, status… Como nos ensinou Kotler no livro “Administração em Marketing”:

“Valor entregue ao cliente é a diferença entre o valor total para o cliente e o custo total para o cliente. O valor total para o cliente é o conjunto de benefícios que os clientes esperam de um determinado produto ou serviço. O custo total para o cliente é o conjunto de custos em que os clientes consumidores esperam incorrer para avaliar, obter, utilizar e descartar um produto ou serviço”.

Kotler

Os custos aqui não são apenas monetários, mas envolvem uma série de situações como locomoção, espera, pesquisa, descarte e custo psicológico.

Sendo assim, as empresas precisam estar prontas para se solidarizar com colaboradores e consumidores, praticar a empatia e criar novas experiências de compra que facilitem o dia a dia da comunidade.

Como consequência, é elementar repensar a presença da empresa no universo físico e digital, tanto em seus processos internos quanto externos. Isso já é sentido por estudos na área de vendas.

Dessa forma, a estratégia de CX vai além de um bom atendimento e publicidade direcionada, mas também leva em conta o propósito das marcas, a experiência interna dos colaboradores da empresa e seus valores. 

Transformação digital e algumas respostas

A inovação vai além da transformação digital. Ela é mais que aproveitar novas oportunidades. Além disso, é um caminho adaptativo que nos permite mudar e arriscar com rapidez. Ou seja, evoluir modelos de negócio, reduzir custos e se recriar. Algo que muitos negócios precisam agora! 

Em resumo, apostar em diversos canais de venda integrados pode sim ser uma das respostas para o setor de autopeças.

Estas apostas nada mais são que a adaptação aos novos  comportamentos dos consumidores, que não se restringem a compras, mas também a suas vidas pessoais. É fundamental utilizar esse momento para oferecer uma melhor experiência aos clientes e aos colaboradores. 

Uma das apostas para a mobilidade urbana é que os aplicativos de transportes alternativos e a economia compartilhada continuarão muito presentes e se farão cada vez mais necessários.

O omnichannel, o marketplace de produtos, serviços, orçamentos, a  adoção de aplicativos, os novos canais de comunicação internos e externos são tendências e, acima de tudo, necessidades do varejo online.

Não tenha medo, é hora de mudar e apostar nas tendências do varejo online! Então, compartilhe suas experiências e dicas nos comentários.

Aryane Gouvea Especialista em Marketing na MOB1. Planejo ações e conteúdos que possam ajudar pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *